Quando a vida vira pendência

Tem banana, quer laranja? - Pendência

Pensou. Retraiu. Mil vezes. Vezes mil. Tudo. Isso. Aquilo. Ser. Surtou. Esmagou. Repetidamente. Duvidou. Ponderou. Voltou. Chorou. Aquilo. Isso. Tudo. Tentou. Sufocou. Guardou. Expandiu. Repensou. Não soube. Dormiu.

Afinal, no viver, o que é pendência e o que não é?

Porque, minha gente, eu não sei vocês, mas para mim está ficando cada vez mais difícil saber separar.

Em meio a tantas coisas que queremos ser, ver e saber eu me perco tentando me encontrar.

Faço listas para não esquecer, e esqueço-me de lembrar que nem tudo é listável.

Não seria nenhuma descoberta surreal da minha parte dizer que o ideal é encontrar o equilíbrio e desencanar de algumas coisas…  Sabemos, na teoria, que diversão ou descanso não são tarefas, mas sendo bem realistas, em um dia com 24 horas, como fazemos caber tudo aquilo que somos e desejamos nos tornar?

E não. Eu não trago a resposta aqui.

Entre o acordar, comer, tomar banho, trabalhar, conversar, namorar e procrastinar, ainda não a encontrei.

Só sei que, enquanto procuro, a única coisa que repito para mim mesma nos dias em que a calma anda inquieta é:

Respira.

Quando bate aquele aperto no peito por ter um zilhão de e-mails para responder, 30 tarefas atrasadas no Todoist, louça para lavar, compras para fazer, 15 episódios de séries atrasados na semana para assistir e amigos para ver depois do último “temos que marcar”, eu sento, respiro fundo e escolho algo para começar.

É que a vida não se detém para que possamos pensar muito, mas às vezes é preciso simplesmente parar.

E você, como faz?


Pensou. Relaxou. Mil vezes. Vezes mil. Tudo. Isso. Aquilo. Ser. Acalmou. Libertou. Repetidamente. Acreditou. Deixou ser. Voltou. Riu. Aquilo. Isso. Tudo. Fez. Respirou. Estampou. Expandiu. Repensou. Soube. Dormiu.

Camila Ochoa
Sou fruto de uma mistura latina Brasil-Chile embalada ao som de Rita Lee. Trágica desde os primórdios, coleciono 27 amarelados outonos. Formada em Turismo, freelancer e curiosa nata por outras orbes, virei tarada por home office, organização, decoração, pechincha, empirismo, livros, comilança, viagens, fotografia, filmes e séries de TV. Quanto ao resto, geralmente não passo de um conjunto de várias coisas clichês, mas de vez em quando consigo ser original.