Hola, que tal? > Chile: Santiago e arredores

Fomos ao Chile em junho/16, mas tentamos resumir e escrever de modo que a postagem se mantenha “atemporal”. Esperamos que seja útil 🙂

Tem banana, quer laranja? Santiago, Chile

Talvez alguns não saibam, mas eu – a tranqueira – morei no Chile durante oito anos da minha vida.

Além disso, sou formada em Turismo e apaixonada por viagens, então não faltarão postagens sobre o assunto por aqui.

Um pouco sobre o Chile:

Sempre aconselho acessar os sites oficiais de turismo do lugar em questão (neste caso o Sernatur). Eles concentram informações de todo tipo: desde dados demográficos a “points” de visitação e agenda de eventos.

No mais, basta dizer que seu idioma oficial é o espanhol, a moeda o peso chileno e hueón a palavra que mais escutará por lá 😛

Santiago (Capital do Chile):

Antes apenas lugar de passagem para quem visitava o Atacama ou a Patagônia, Santiago é hoje a nova queridinha de nós, tupiniquins.

Eu morei em Maipú, mas recomendo ficar no bairro de Providencia ou arredores. Mesmo que seja um pouco mais caro, você economiza tempo e transporte, por ser bem mais próximo dos pontos de interesse.

Ainda sobre isso, é importante lembrar que citamos apenas algumas dicas, pois além de ter inúmeros blogs, guias e artigos sobre o que fazer por lá, acreditamos que o mais legal é descobrir a cidade por conta própria, de acordo com o que lhe agrade.

O que visitar?
  • Palácio “La Moneda”:  Sem entrar em detalhes sobre o contexto histórico do local, acreditamos que vale a pena conhecer. O Museu que fica na parte subterrânea é muito bacana também.
  • Plaza de Armas e Catedral: Aqui é o marco zero da cidade e ponto de uma das fotos clicadas devido ao contraste arquitetônico.
  • Mercado Central: A bem da verdade, esse é um dos lugares que menos gostamos, pois as pessoas ficam o tempo todo te puxando para dentro dos restaurantes, mas é importante citar.
  • Parques Forestal e Bicentenário: Ambos nos fazem pensar “Quero morar aqui só para vir correr todas as manhãs neste lugar”.
  • Cerros San Cristóbal e Santa Lúcia: São relativamente próximos e a vista panorâmica da cidade e da “sempre-maravilhosa-cordilheira” compensam a subida.
  • Museu Bellas Artes: Mesmo que não goste de museus, a entrada deste é franca, o prédio incrível e seus arredores também.
  • Bairro Bellavista: Apenas perca-se e desvende o bairro.
  • Shopping Costanera: O shopping é enorme e cheio de lojas legais, mas o que vale mesmo é a subida até o mirante! Eu, que já vi a Cordilheira de vários ângulos, fiquei de queixo caído com a vista…
Tem banana, quer laranja? Santiago, Chile

Tem banana, quer laranja? Santiago, Chile

Tem banana, quer laranja? Santiago, Chile

Tem banana, quer laranja? Santiago, Chile

No inverno, não se assuste se ouvir as palavras “alerta ambiental”. Por estar rodeada de montanhas, Santiago concentra boa parte do smog (poluição), levando o governo a tomar medidas para reduzir esses níveis de contaminação do ar, como rodizio adicional de carros e, em casos extremos, proibição de asados (churrascos), rs.

Para se proteger, tente se hidratar bastante e evite atividades físicas muito pesadas.

Em caso de terremotos (sim, o Chile apresenta alta atividade sísmica), não se desespere como eu. Tente manter a calma e siga as instruções das pessoas ao seu redor, pois o País é muito bem preparado para estes casos.

Valparaíso e Viña del Mar:

Valparaíso é a terra da poesia. Viña del Mar, a cidade jardim.

“Valpo” tem seus cerros coloridos, que encantam a quem decide seguir o pensamento do Pequeno Príncipe: “O essencial é invisível aos olhos”. Já Viña del Mar é aquela sua amiga PHYNA, glamorosa e gourmet.

O destaque em Valparaíso vai para seus inúmeros funiculares e o “Paseo 21 de Mayo”, com uma das vistas mais bonitas para o Pacífico. La Sebastiana, uma das casas de Pablo Neruda, também é ponto de parada.

Em Viña, o Relógio de Flores, a Avenida Peru, o Jardim Botânico e a Quinta Vergara são ótimas pedidas.

No mais, apenas perca-se e deixe-se encantar.

Tem banana, quer laranja? Valaparaíso, Chile
Tem banana, quer laranja? Viña del Mar, Chile
Tem banana, quer laranja? Viña del Mar, Chile
Cordilheira e Centros de Esqui:

Dependendo da época do ano, algumas pessoas optam por não visitar, mas eu sou ALOKA pela Cordilheira dos Andes então acho que sempre vale a pena.

Se for no inverno, os centros de esqui mais próximos de Santiago são: Valle Nevado, La Parva, Colorado e Portillo. Este último tem um plus: a Laguna del Inca (só procura no Google e bota no roteiro :P)

Para subir até lá há empresas especializadas que te levam, mas nós preferimos alugar um carro e assim ter mais liberdade.

Se for apenas passar o dia, recomendamos levar um lanche ou comer antes de iniciar o passeio. Os preços são realmente abusivos nos restaurantes da região.

Tem banana, quer laranja? Neve, Chile

Tem banana, quer laranja? Neve, Chile
Momento “Mangia che te fa bene”:

Por aqui costumamos dizer que não há melhor forma de conhecer um lugar do que comendo.

Os sabores e aromas tem o poder de realmente nos transportar novamente para alguns momentos e locais. No Chile, prepare-se para voltar repleto de memórias e rolando!

As empanadas são um caso à parte. Maiores do que no restante da América do Sul, podem ser fritas ou assadas e ter recheios de diversos sabores. As de pino (carne) e queijo são as preferidas.

Os famosos Completos (nome que dão ao cachorro quente) também são paixão nacional, tornando-se inclusive carro chefe de várias redes de fast food. Peça um “italiano” e entenda porque o avocado faz parte de tantas receitas chilenas. O mesmo vale para os Lomitos.

Outro ponto que merece destaque são os frutos do Pacífico. As machas (marisco unicamente chileno) são difíceis de achar, já que sua produção precisou ser restrita devido a extração excessiva, mas se você conseguir encontrar, por favor, experimente! As que estão na foto são “machas a la parmesana“.

Achou pouco? Então procure também por pastel de choclo, humitaslomo a lo pobre, choripan, pollo con papas fritas, sopaipillas, chorillana, ensalada a la chilena, pebre e mote con huesillo. Não reclame se engordar, rs.

Tem banana, quer laranja? Machas a la Parmesana, Chile

Os Vinhos (e seus baixíssimos preços) e o Pisco Sour também vão te fazer chorar – ou cambalear – de alegria 😛

Caso goste do assunto ou queira fazer um passeio diferente, as vinícolas do Valle Central são uma ótima pedida. A Concha y Toro é a mais famosa.

Ah, e fique atento quando o assunto for água. Por ter muitos minerais, o elemento recebe um tratamento bem diferente no País Hermano. Nosso organismo, por não estar acostumado, pode não se adaptar muito bem (inclusive é possível notar mudanças na pele e nos cabelos), então recomendamos consumir água mineral engarrafada.

Mas e a hospedagem?

Dicas de hospedagem não são muito nossa praia. Achamos que o lugar ideal vária de acordo com o gosto e necessidade de cada um. De qualquer forma, se tiver dúvidas, pode deixar nos comentários, que tentamos ajudar 🙂

Se for útil, os sites que mais usamos por aqui quando estamos procurando onde ficar são: booking, tripadvisor e airbnb.Tem banana, quer laranja? Chile

Bônus:

Nesta última viagem, buscando algumas coisas novas para colocar no roteiro, descobri o blog “Pigmento F“.  Escrito pela Fê La Salye, brasileira que mora no Chile desde 2011, está repleto de dicas e informações bem diferentonas. Vale a leitura.

Também recomendamos o “Viaje na Viagem” e o “Viaje aqui“, da Editora Abril.

Para não deixar o texto tão longo outras dicas sobre esse universo andarilho virão em futuras postagens 😉


A série “Hola, que tal?” foi criada para apresentarmos lugares que conhecemos por ai e que achamos que valem a lembrança.

 

Camila Ochoa
Sou fruto de uma mistura latina Brasil-Chile embalada ao som de Rita Lee. Trágica desde os primórdios, coleciono 27 amarelados outonos. Formada em Turismo, freelancer e curiosa nata por outras orbes, virei tarada por home office, organização, decoração, pechincha, empirismo, livros, comilança, viagens, fotografia, filmes e séries de TV. Quanto ao resto, geralmente não passo de um conjunto de várias coisas clichês, mas de vez em quando consigo ser original.
  • Francisco Ochoa

    Muito bom, parabéns pela informação.