Sobre nós

Aqui você conhece um pouco mais sobre nós, a Tranqueira e o Estrupício:

Segundo o dicionário, Tranqueira é sinônimo de mau elemento, mas eu até que sou boa gente.

Registrada Camila, sou fruto de uma mistura latina Brasil-Chile embalada ao som de Rita Lee. Trágica desde os primórdios, coleciono 28 amarelados outonos.

Formada em Turismo, freelancer e curiosa nata por outras orbes, virei tarada por home office, organização, decoração, pechincha, empirismo, livros, comilança, viagens, fotografia, filmes e séries de TV. Quanto ao resto, geralmente não passo de um conjunto de várias coisas clichês, mas de vez em quando consigo ser original.

Nas andanças pelo mundo, me enrosquei com o Estrupício – ou Gabriel, se preferirem. Um cara boa praça, que não resistiu ao meu chamego e aos nossos males em comum. Hoje dividimos o teto, a cama e a farinha láctea.

Ser adorável, de poucas palavras e muitas frases de efeito. Um jovem taubateano de nascença e cigano por opção, que se tornou Geógrafo por (des)acaso e mercador nas horas vagas. Dono de uma capacidade sem igual para reter bobagens na memória e um deleite peculiar por piadas sem graça, adora as vídeo cassetadas do Faustão, se perder nos mundos paralelos da literatura e nunca recusa uma boa partida de Magic. Jurou-me rabiscar algumas linhas aqui de quando em vez.

O “Tem banana, quer laranja?” nasceu dessa nossa junção e dos devaneios diários.

Sem a pretensão de prender sua atenção, a ideia é apenas registrar e compartilhar as peripécias e malcriadezas que fazem parte da construção de uma vida a dois.

O nome, confuso como a existência, foi inspirado em muitas lembranças de infância. Depois das fartas macarronadas mooquenses – bairro onde nasci, em São Paulo – a dona Olga, de quem sou neta, sempre nos engordava com suas perguntas:

“Minha filha, têm abacaxi, quer melão?”, “Fiz bolo, quer pudim?”.

E você, vai do que hoje?